Header Ads

Marcos Túlio, professor de artes marciais, fala sobre sua trajetória internacional e entrada no Livro Guinnes.


 O bananalense Marcos Túlio, professor de Artes Marciais, falou ao Jornal da Estância sobre sua trajetória no Brasil e a carreira internacional que o fez viajar por países da Europa e Oriente Médio.

Nascido em uma casa próxima à Igreja da Boa Morte, Marcos Túlio (à esquerda na foto) foi ainda criança para o Rio de Janeiro. Chegou a voltar a morar na cidade por dois anos e meio durante a juventude ao lado do irmão Paulo Dayvison, atual Secretário de Esportes de Bananal (à direita na foto). Depois de se tornar faixa preta, começou uma peregrinação por Minas Gerais e Santa Catarina. No primeiro trecho da entrevista concedida ao jornalista Ricardo Nogueira, ele fala sobre o início dessa trajetória.



Na Europa, fez da Alemanha seu ponto de projeção para o mundo. Lutou no MMA, ministrou aulas, estabeleceu um circulo de amizades e contatos profissionais que o levaram ao Oriente Médio. Num distrito próximo a Abu Dhabi, capital federal dos Emirados Árabes Unidos, integra o conceituado quadro de professores que ministram aulas em programas nas escolas e também para pelotões do exército daquele país, em turmas de 300 cadetes. O preparo da Guarda Presidencial também passa pelos módulos de preparação de Marcos Túlio e outros 7 professores, em cursos com 3 meses de duração. Ouça no trecho abaixo o seu relato sobre isso.

 

Nos Emirados Árabes, país do Oriente Médio, participou da maior aula de artes Marciais ao ar livre do mundo, indo parar no Livro Guinnes, o livro dos recordes (Guinness World Records). Num tatame com proporções gigantescas montado no Centro de Convenções do autódromo onde são realizadas as corridas de Fórmula 1, Marcos Túlio integrou o staff de mestres que comandaram a aula para 5 mil pessoas. No mais recente projeto estabelecido pelo Sheik, num investimento de U$ 70 milhões, Marcos Túlio integra o quadro de árbitros da Federação de Jiu-Jitsu dos Emirados Árabes Unidos, com a meta de transformar a modalidade em esporte olímpico.




Jornal da Estância. Tecnologia do Blogger.